Skip to content


Os rincões do Distrito Federal

José Roberto Arruda Ao ler as notícias sobre o recente escândalo no Distrito Federal (DF) que envolve o atual governador do Estado, José Roberto Arruda (DEM), em que ele teria feito o seu mensalão, pagando para deputados da base a fim de que estes votassem no governo, cheguei à conclusão de que a capital federal se assemelha mais aos mais pobres rincões deste país do que podíamos imaginar.

Arruda é o mesmo que renunciou ao mandato de senador por ter violado o painel junto com o senador ACM. Agora, caiu na arapuca armada por seu ex-secretário de Relações Institucionais, Durval Barbosa, que gravou todas as conversas em que o governador e secretários combinam valores a serem pagos para cada parlamentar distrital e outros políticos.

Brasília tem uma das maiores rendas do País. É uma cidade com alto custo de vida, mas apresenta um quadro político-partidário, se analisarmos os seus principais caciques, que se enquadra entre os mais atrasados do Brasil. Fora o contraste que impera entre a sua região central e as cidades-satélite, retrato evidente da imensa desigualdade social que ainda existe no Brasil.

Fora esta desigualdade. A minha análise sobre a semelhança com os rincões não se deve apenas a Arruda, mas também ao seu principal adversário, segundo as pesquisas, na disputa eleitoral do ano que vem, Joaquim Roriz (PSC), ex-governador do DF e ex-senador. Roriz é aquele mesmo que renunciou ao mandato recentemente por ter sido envolvido no caso de compra de gado por meio de métodos escusos.

Ou seja, os brasilienses se ficarem, ficam com Arruda. O único governador democrata do país, que estava sendo construído como uma das estrelas do partido, ao lado do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab e que agora está atolado até o pescoço. Se correrem, confirmadas as projeções, vão pros braços de Roriz, que, inclusive, teve o nome envolvido no escândalo atual.

Difícil decisão.

Foto: Fábio Pozzebom/ ABr

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

Posted in Política Nacional.