Skip to content


Os petistas não gostam de Geddel

Rapaz, nem começou a disputa eleitoral de fato e o bicho já tá pegando na pré-campanha baiana. Quer dizer que Geddel é desleal e ingrato, governador Jaques Wagner? E quer dizer que Wagner tá com mania de traição, ministro Geddel? Nem eu esperava que a troca de farpas entre os dois aliados começasse em temperatura tão alta e tão cedo, mas, ontem, o “Galego” soltou os cachorros pra cima de Geddel e o peemedebista deu o troco através da imprensa.

Todo mundo sabia que a aliança entre Wagner e Geddel já ia degringolar faz tempo. Eu mesmo, no dia 27 de julho, exercitando a minha futurologia, vaticinei que os dois não estariam no mesmo palanque em 2010. Pelo menos, não no primeiro turno. Geddel fez um movimento de consulta às bases do PMDB que ficou impossível não lançar a sua candidatura ao governo do Estado. Wagner ficou tempo demais protelando a decisão de mandar o PMDB, acreditando que poderia contornar a situação. Não deu.

O governador disse ainda que Lula desaprovou a saída do PMDB do governo Wagner por considerar que deveria ter sido respeitado o direito do governador ser candidato à reeleição. Faz sentido, já que é o que o presidente tem defendido em relação ao Rio de Janeiro, onde o seu candidato é o atual governador Sérgio Cabral (PMDB), que tem convivido com a ameaça da pré-candidatura do prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias (PT).

Wagner disse, inclusive, que Lula teria dito, em telefonema a ele, que deu o Ministério a Geddel em razão da aliança bem sucedida em 2006. O ministro e o seu irmão, Lúcio Vieira Lima, presidente estadual do PMDB, negam esta versão. Dizem que Geddel foi indicado pelo PMDB da Câmara e que esta indicação não teve que passar pelo aval de Wagner. Na briga de versões, lembro de ter lido, na época, que Wagner havia concordado com a indicação de Geddel. Mas, aí, já não sei.

Aliás, digo mais, a aliança entre o PT e o PMDB era um casamento com dias contados desde o início. O governador e o ministro possuem personalidades completamente contrastantes e, além disto, os militantes do PT nunca esqueceram o passado carlista de Geddel e a ajudinha que ele teve do ex-deputado Luís Eduardo Magalhães (DEM) para se livrar da CPI do Orçamento.

Eu pude constatar este desapreço em relação ao ministro em um comício do governador Jaques Wagner, com a presença de Lula, em 2006. Ao ser anunciado, Geddel quase ouviu um estrondoso coro de vaias dos petistas e comunistas ali presentes, mas tudo foi abafado a tempo. Afinal de contas, não é de bom tom vaiar um aliado. Os petistas mais antigos vão ainda mais longe e dizem que o problema de Geddel é de família e desatam a lembrar que Afrísio Vieira Lima foi secretário de segurança do trágico governo de Nilo Coelho.

Maldade petista. Como não poderia ser diferente, Geddel não saiu por baixo, chamou o governo de incompetente, em especial nas áreas de Educação, Saúde e Segurança Pública, mostrando quais serão as teclas que vai bater em sua campanha. Falou ainda da “traição” do PT em relação ao PMDB na prefeitura de Salvador. Mas cuidado ministro, o TRE pode considerar que os vários adesivos de carro com os dizeres “Tô com Geddel” e nas cores do PMDB podem ser considerados como campanha fora do prazo legal. E aí, já sabe, tchau candidatura.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

Posted in Política Local.